“Mães” e “pais” de cães e gatos realmente estão abraçando a maternidade/paternidade de seus pets

“Mães” e “pais” de cães e gatos realmente estão abraçando a maternidade/paternidade de seus pets

Você deve estar notando cada vez mais cães e gatos andando em carrinhos ultimamente? Ou adesivos de para-choque que dizem: “Eu amo meus netos” com figuras de animais? 

Você não está imaginando. Mais pessoas estão investindo muito mais tempo, dinheiro e atenção na criação de seus animais de estimação.

Parece muito com a paternidade, mas de animais de estimação, não de pessoas.

Esse tipo de cuidado com os animais pode realmente ser considerado parentalidade? Ou algo mais está acontecendo aqui?

Através da antropozoologia, um campo antropológico que estuda as interações homem-animal,  buscamos entender melhor o comportamento dos pais de animais de estimação na perspectiva da ciência evolutiva. Afinal, as normas culturais e a biologia evolutiva sugerem que as pessoas devem se concentrar em criar seus próprios filhos, não seres de uma espécie completamente diferente.

Mais pessoas sem filhos, mais pais de animais de estimação


O momento atual é único na história da humanidade. Muitas sociedades, estão passando por grandes mudanças na forma como as pessoas vivem, trabalham e se socializam. As taxas de fertilidade estão mais baixas e as pessoas têm mais flexibilidade na forma como escolhem viver suas vidas. Esses fatores podem levar as pessoas a aprofundarem sua educação e valorizar a definição de si mesmos como indivíduos acima das obrigações familiares. Com o básico cuidado, as pessoas podem se concentrar em necessidades psicológicas de ordem superior, como sentimentos de realização e um senso de propósito.

O cenário está montado para que as pessoas escolham ativamente se concentrarem em animais de estimação em vez de crianças.

Em pesquisas anteriores, foram entrevistados 28 donos de animais de estimação sem filhos para entender melhor como eles se relacionam com seus animais. Esses indivíduos compartilharam incisivamente que escolheram ativamente cães e gatos em vez de crianças. Na maior parte dos casos, houve o uso de termos relacionais entre pais e filhos – chamando a si mesmos de “mãe” de um animal de estimação, por exemplo.

Eles enfatizaram o atendimento das necessidades específicas da espécie de seus cães e gatos. Por exemplo, eles podem satisfazer a necessidade do animal de se alimentar usando um quebra-cabeça de comida para que se alimente corretamente, enquanto a maioria das crianças é alimentada à mesa, sem muitos rodeios ou premeditações. Esses donos de animais reconheceram diferenças nas necessidades de nutrição, socialização e aprendizado dos animais em relação às crianças. Eles não estavam substituindo impensadamente crianças humanas por “bebês peludos”, tratando-os como humanos pequenos e peludos.

Outros pesquisadores encontram conexões semelhantes, mostrando que os donos de pets sem filhos percebem seus companheiros animais como indivíduos emocionais e pensantes. Essa maneira de entender a mente do animal ajuda a levar ao desenvolvimento de uma identidade parental em relação aos animais de companhia. Em outros casos, indivíduos incertos encontram sua necessidade de nutrir suficientemente satisfeita cuidando de animais de estimação, consolidando suas decisões de fertilidade para permanecerem livres de filhos.

Nutrir os outros faz parte do ser humano


No entanto, essas descobertas ainda não respondem a esta pergunta: as pessoas que escolhem animais de estimação em vez de crianças realmente cuidam de seus animais de estimação? Para responder, vamos nos voltar para a evolução da paternidade e do cuidado.

A antropóloga evolucionista Sarah Hrdy escreveu em 2009 que os humanos são criadores cooperativos. Isso significa que está literalmente em nosso DNA e em nossa história ancestral ajudar a cuidar de descendentes que não são nossos. Antropólogos e biólogos chamam esse traço de aloparentalidade. É uma adaptação evolutiva que ajudou os seres humanos que criaram crianças cooperativamente a sobreviver. Para os primeiros humanos, esse ambiente antigo provavelmente era composto de pequenas sociedades nas quais algumas pessoas trocavam cuidados infantis por alimentos e outros recursos.

Sugerindo então, que é essa história evolutiva que explica a criação de animais de estimação. Se as pessoas evoluíram para aloparentais, e nosso ambiente agora está tornando o cuidado de crianças mais difícil ou menos atraente para alguns, faz sentido que as pessoas aloparentem outras espécies. A aloparentalidade de animais de companhia pode oferecer uma maneira de satisfazer a necessidade evoluída de nutrir, reduzindo o investimento de tempo, dinheiro e energia emocional em comparação com a criação dos filhos.

Descomplicando as diferenças no cuidado de animais de estimação


Para entender melhor esse fenômeno de adultos sem filhos cuidando de animais de estimação, foi lançada uma pesquisa online via mídia social, buscando respostas de donos de cães e gatos com idade superior a 18 anos. A pesquisa incluiu perguntas sobre comportamentos de apego e cuidado, e também fez uma série de perguntas desenvolvidas para investigar comportamentos humanos específicos de cuidado voltados para animais de estimação – detalhes como alimentação, banho e treinamento – bem como quanta autonomia os animais de companhia tinham em casa.

A amostra final de 917 respondentes incluiu 620 pais, 254 não pais e 43 pessoas indecisas ou que não responderam. A maioria dos inquiridos era também casada ou em união de fato há mais de um ano (57%), com idades compreendidas entre os 25 e os 60 anos (72%) e também eram majoritariamente mulheres (85%).

Tanto os pais quanto os não pais relataram grandes quantidades de treinamento e brincadeiras com seus animais de estimação. Essa descoberta faz sentido, já que todos os donos de animais precisam ajudar seus cães e gatos a aprender a navegar no mundo humano. Os entrevistados da pesquisa relataram socialização, treinamento e enriquecimento, incluindo brincadeiras, para seus animais.

Donos de animais sem filhos investem mais tempo, dinheiro e energia emocional diretamente em seus animais de estimação.
Os não pais relataram taxas mais altas de apego geral aos seus animais. Eles viam com mais frequência seus animais de estimação como indivíduos. Os não pais também eram mais propensos a usar termos familiares como “pais”, “filho”, “filhos” e “responsáveis” ao se referirem a seus relacionamentos com seu animal de estimação.

É essa diferença, combinada com a evidência de uma pesquisa anterior de que esses indivíduos atendem às necessidades específicas da espécie dos cães e gatos sob seus cuidados, que sugere que a criação de animais de estimação é, na verdade, a parentalidade de animais de estimação. Embora os detalhes possam parecer bem diferentes – assistir a aulas de treinamento em vez de funções escolares, ou fornecer passeios de olfato para cães em vez de livros para colorir para crianças – ambas as práticas cumprem a mesma função evoluída. Seja criança ou animal de estimação, as pessoas estão encontrando a mesma necessidade evoluída de cuidar, ensinar e amar um outro ser vivo.

Por enquanto, este estudo fornece evidências de que, talvez, em vez de evoluírem para pais, os humanos evoluíram para nutrir. E, como resultado, quem e quando somos pais é muito mais flexível do que você pode acreditar inicialmente.